ônibus

Omissão e irresponsabilidade

  • Postada em: 5/06/2018
  • Autor: Eustáquio Libório
Revolta da população resultou na suspensão da greve de ônibus

A população de Manaus parece que se cansou de sofrer pagando passagens em ônibus velhos que não atendem a contento seus usuários e, nesta segunda-feira, quando o movimento paredista dos rodoviários completava uma semana em greve, usuários do transporte público coletivo urbano apelaram para a violência e depredaram, incendiaram e não faltou infiltrados, disfarçados de passageiros, que saquearam os coletivos danificados.

Falta de combustível pode reduzir frota de coletivos na sexta

  • Postada em: 24/05/2018
  • Autor: Eustáquio Libório

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) informa que, caso continue a greve dos caminhoneiros, a frota do transporte irá operar parcialmente na sexta-feira (25), e as empresas não terão como operar a partir de sábado (26), por conta da falta de combustível para abastecer os ônibus do transporte coletivo.

“Essa greve dos caminhoneiros reflete diretamente no transporte coletivo, pois as empresas mantêm um estoque de no máximo um dia para abastecer os ônibus. Caso a greve continue, amanhã (sexta) as empresas vão operar parcialmente e nos demais dias a população poderá ficar sem transporte, devido à falta de combustível”, explica o assessor jurídico do Sinetram, Fernando Borges.

Ainda de acordo com o assessor jurídico, as empresas estão fazendo um levantamento no estoque de combustível e irão passar as informações para a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU). Atualmente o transporte coletivo opera em 229 linhas, com 1.258 carros. 

Devido ao ato realizado em várias capitais brasileiras, empresas do transporte coletivo de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte já estão fazendo rodízio nas linhas de ônibus para não deixar os usuários sem transporte.

Cuidado, sua vida pode valer apenas 55 reais

  • Postada em: 15/11/2016
  • Autor: Eustáquio Libório

Manaus amanheceu, na segunda-feira, 14 de novembro, véspera de feriado e ponto facultativo no município e Governo do Estado, com boa parte da frota de ônibus que serve o transporte coletivo da cidade parada nas garagem. Desta vez, os trabalhadores não fizeram paralisação para reclamar reajuste salarial, pagamento de vantagens e benefícios ou qualquer outra reivindicação do gênero. O que eles pedem é bem mais simples: querem segurança para poder trabalhar.

Empresas de ônibus na mira do Procon/AM

  • Postada em: 8/07/2015
  • Autor: Eustáquio Libório

Quem anda de ônibus em Manaus sabe da precariedade do sistema e das más condições que os veículos apresentam e estas vão desde a higiene - ou melhor, a falta de zelo para manter a higiene - até situações que passam pela ausência de limpeza, superlotação, demora entre um ônibus e outro da mesma linha, não parar nos pontos, mesmo com o sinal do usuário, entre tantas outras carências que fazem o preço da passagem - R$ 3 - ser muito alto quando o serviço é de péssima qualidade.