Senac inaugura biblioteca na Zona Norte de Manaus

  • Postada em: 24/05/2018
  • Autor: Eustáquio Libório

Perfil do escritor homenageado

Marcio Gonçalves Bentes de Souza é romancista, ensaísta, dramaturgo, cineasta e jornalista. Nasceu em Manaus e ainda jovem, começou a trabalhar como crítico de cinema no jornal O Trabalhista, do qual seu pai era sócio. Em 1965, assumiu a coordenação das edições do Governo do Estado do Amazonas, mas logo em seguida mudou-se para São Paulo e ingressou no curso de ciências sociais da Universidade de São Paulo (USP). Perseguido pela ditadura militar, interrompeu os estudos em 1969 e começou a vida profissional no cinema, como crítico, roteirista e diretor. Na dramaturgia, escreveu peças como "As folias do látex" e "Tem piranha no pirarucu".

Com a obra "Galvez - Imperador do Acre", iniciou sua carreira literária, em 1976. Escreveu diversas obras inseridas no ambiente sociocultural da Amazônia, tais como "Mad Maria", "Plácido de Castro contra o Bolivian Syndicate", "Zona Franca, meu amor" e "Silvino Santos: o cineasta do ciclo da borracha", entre outras. Entre 1981 e 1982, publicou em folhetins, no jornal Folha de S. Paulo, o romance "A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi".

Destacou-se também como cineasta e ensaísta (A selva; A expressão amazonense do neolítico à sociedade de consumo). Mais recentemente, tem se dedicado a uma tetralogia sobre a província do Grão-Pará.

Em 1976, assumiu o cargo de diretor de planejamento da Fundação Cultural do Amazonas. Foi também presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte) entre 1995 e 2003, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Ocupa, desde janeiro de 2013, a presidência do Conselho Municipal de Política Cultural da cidade de Manaus.

Categoria: